CINERAMA

cinema sem frescura

Estrada para Ythaca

Quatro amigos diretores, quatro personagens, um mito como pano de fundo e um luto por fazer no presente. Estrada Para Ythaca é dirigido e interpretado por Luiz Pretti, Ricardo Pretti, Guto Parente e Pedro Diógenes. Luiz e Ricardo são irmãos gêmeos; Guto e Pedro, primos. Um filme de família, uma história criada à medida que se fazia, com imagens captadas por uma pequena câmera digital. Cinema, mas também celebração de amizade.

Esse, aliás, é o estímulo propulsor da história. Os personagens são amigos que se reúnem em um bar. Bebem e falam. Resolvem pegar um carro e partir para Ythaca. Para fazer o quê? Talvez buscar uma imagem, algo perdido, um amigo que se foi de maneira prematura.

Esse filme de estrada – literalmente e no título – se faz à medida que as imagens progridem, assim como um romance se escreve palavra após palavra. Há um sentido poético que os guia e estrutura a obra. Por exemplo, não é casual a citação de Vento do Leste, filme de Jean-Luc Godard da sua fase no Grupo Dziga Vertov e no qual aparece Glauber Rocha como ator. Há uma encruzilhada e dois caminhos possíveis. Um, pela direita, que leva ao cinema da aventura; o outro, pela esquerda, que conduz ao cinema do terceiro mundo, “perigoso, divino e maravilhoso”, segundo a música de Caetano Veloso cantada por Gal Costa. Dizem que Godard achou ruim com Glauber por ele ter escolhido esse caminho. Mas, metaforicamente, foi a via adotada por seu cinema, naquela época em que direita e esquerda faziam todo o sentido, um tempo enfeitiçado pela palavra revolução.

Essa citação de cena não aparece por acaso. Ela é um manifesto colocado como sinalização no meio dessa estrada que leva a Ythaca. Fala de uma tomada de posição. Estética em primeiro lugar, de uma geração que encontra suas referências no segundo Glauber, o do exílio, e em seu desafeto e continuador dialético, o “maldito” Rogério Sganzerla.

A essas referências cinematográficas, soma-se aquela ao escritor grego Konstantinos Kavafis e sua Ythaca mítica. A Odisseia é o arquétipo da viagem. Quando Ulisses volta à Ítaca natal não a encontra da mesma forma. A cidade mudou, Penélope não é a mesma e ele mesmo, Ulisses, é diferente do da partida. Tudo flui e altera-se, conforme havia dito aquele outro grego, Heráclito, que não podia se banhar duas vezes no mesmo rio. Porque o rio não era o mesmo, nem ele, Heráclito, continuava sendo o mesmo de outrora. Tudo é devir.

Portanto, de certa forma, esse filme inspirado é também uma viagem sem volta. De jovens que descobrem o luto e, portanto, fazem uma passagem forçada e prematura para o outro lado, o da consciência da finitude humana e da morte. Mas é também a iniciação nesse outro ritual, o cinematográfico, com uma obra de estreia forte, barata e cheia de poesia. Ritos de passagem. Que o caminho seja longo e continue inspirador.

por Luiz Zanin

Fonte: http://blogs.estadao.com.br/luiz-zanin/estrada-para-ythaca/

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: